Arte cinética: O surgimento da arte em movimento

Arte Cinética

imagem ocupação1 282x300Primeiro devemos entender o que é Arte Cinética. O termo usado, cinético está ligado à ideia de movimento.

A grande diferença da arte cinética, dizem os estudiosos, é que nela o movimento constitui o princípio de estruturação. Rompe assim com cinetismo a com a condição estática da pintura, apresentando a obra como um objeto móvel, que não apenas traduz ou representa o movimento, mas está em movimento.

Na tradição artística, é possível localizá-lo, por exemplo, no Manifesto Realista de Antoine Pevsner (1886-1962) e Naum Gabo (1890-1977), em escritos de László Moholy-Nagy (1895-1946) e nas páginas da revista de arte argentina Madí (1946), ainda que saibamos ser a preocupação com o movimento nas artes visuais muito mais antiga, remontando, no limite, aos animais representados nas paredes de Lascaux. Se isso é verdade, o termo é efetivamente incorporado ao vocabulário artístico em 1955, por ocasião da exposição Le Mouvement (O Movimento).

ARTE CINETICA: ALEXANDER CALDER

newsjansen3501 300x212Um dos mais importantes na arte cinética é Alexander Calder que criou uma nova tendência artística baseada nos móbiles. Cujo movimento independe da posição e do olhar do observador. Construídos com peças de metal pintadas, suspensas por fios de arame, os móbiles movem-se ao sabor da aragem mais suave, produzindo efeitos mutáveis em função da luz.

Ao observador cabe contemplar o movimento inscrito nas obras. Combinando formas surrealistas e orgânicas com elementos construtivistas e cores ricas em contrastes, Calder pretendia proporcionar mobilidade dinâmica ao espaço.

cinetica1 300x97Seus objetos, alguns dos quais estruturas monumentais, foram instalados em grande número de lugares públicos e em importantes edifícios modernos de todo o mundo.

leia +